Alta dos fretes atrapalhou negociações da soja

12 Set 2018 Fonte: AGROLINK Agricultura e Pecuária
Alta dos fretes atrapalhou negociações da soja

Alta dos fretes atrapalhou negociações da soja

O analista de mercado Luiz Fernando Pacheco, da T&F Consultoria Agroeconômica, afirmou que a poucos volumes de soja foram negociados na última segunda-feira (10.09), devido à alta dos fretes. Segundo ele, tanto as traders quanto os vendedores estão reclamando dos aumentos nos preços do frete.  

 

“Está todo mundo reclamando da alta dos fretes para 2019, Tradings e Vendedores. Por isso, praticamente não saíram negócios nesta segunda-feira, a não ser pequenos lotes isolados e sem expressão.  Dos quatro fatores principais que compõe o preço da soja no Brasil o dólar teve queda de -0,26%, Chicago teve alta de 0,30%, os fretes complicaram muito e os prêmios permaneceram iguais em Paranaguá”, informa. 

De acordo com Pacheco, as consequências das baixas negociações motivadas pelo preço do frete acabaram causando uma queda nas médias de preços estipuladas pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea). Ele afirma ainda que isso acabou gerando uma baixa movimentação nos portos e também no interior do país. 

 

“Como consequência, as médias dos preços pesquisadas pelo Cepea nesta segunda-feira caíram 0,21% nos portos, para R$ 94,09 e 0,49% no interior, para R$ 87,25. No MS a semana começou devagar, com muito barulho e pouco fechamento. Foram negociadas cerca de 15.000 toneladas, a preços de R$ 83,00 na região de Dourados, pagamento 15 de novembro e R$ 92,50 para o porto, posto na ferrovia em Maringá. No PR mercado travado no início da semana, com o spread muito alto entre o que o vendedor pede e o que o comprador oferece”, comenta.  

Quanto ao Paraná, o analista afirma que existe pouca disponibilidade no estado e a logística está entregando tudo em ritmo cadenciado. “O dólar não ajudou, a tabela de frete continua travando os negócios futuros e muita gente esperando o relatório do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos)”, finaliza.