Atoleiros e péssimas condições da BR-163 complicam escoamento da soja

6 Mar 2017 Fonte: Globo rurar Agricultura e Pecuária
Atoleiros e péssimas condições da BR-163 complicam escoamento da soja

Atoleiros e péssimas condições da BR-163 complicam escoamento da soja

Parte da safra de grãos de Mato Grosso ficou atolada na lama, essa semana. O problema é a péssima condição das estradas do Pará, por onde trafegam centenas de caminhões rumo aos portos do norte do país.

Por causa dos atoleiros em dois trechos da rodovia no sudoeste do Pará, os caminhões carregados de soja e de outros produtos não conseguiram chegar e nem voltar dos portos de Miritituba e Santarém, que devem receber sete milhões de toneladas de soja de milho nesta safra, se as estradas permitirem.

Em outra rodovia importante da região, a Transamazônica, 1.360 km nunca receberam asfalto no Pará. Na BR-163, 170 km também não estão asfaltados no estado. O DNIT afirmou que vai pavimentar 60 km ainda este ano e concluir o asfaltamento da rodovia no Pará até 2018.

Segundo a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais e a Associação Nacional dos Portadores de Cereais, as empresas dos dois setores acumulam prejuízo de R$ 1,2 milhão por dia com a interdição das estradas. Sem falar dos transtornos com os descumprimentos de prazos que estão previstos em contratos comerciais.

O Governo Federal anunciou também que foi criado um grupo de trabalho para realizar obras a curto prazo e deixar a BR-163 no Pará trafegável até o fim desta safra de grãos.


Mais Notícias

Suspeitos são presos transportando R$ 90 mil em fundo falso de carro

Flagrante foi feito pela PRF na BR-369 em Corbélia (PR). Dinheiro estava escondido no painel de um veículo com placas de Foz do Iguaçu.

Exportação de frango paranense cresce no trimestre, mas sofre queda de 5% em março

Setor sente impactos da Operação Carne Fraca, mas já segue caminho da retomada

Higiene na propriedade, leite de QUALIDADE

Cuidados na ordenha podem melhorar qualidade do leite entregue à indústria

Paraná debate parcerias na área agropecuária com o Cazaquistão

Kairat Sarzhanov explicou que a agricultura é responsável por cerca de 5% do PIB do Cazaquistão