Brasil bate recorde nas exportações de café solúvel em 2019

13 Fev 2020 Fonte: MAPA Agricultura e Pecuária
Brasil bate recorde nas exportações de café solúvel em 2019

Brasil bate recorde nas exportações de café solúvel em 2019

As exportações brasileiras de café solúvel bateram recorde em 2019, chegando a 91,96 mil toneladas, cerca de 4 milhões de sacas de 60 kg. Esse volume representa um aumento de 7% em relação a 2018, quando as vendas externas atingiram 85,97 mil toneladas, equivalente a 3,72 milhões de sacas.

Dos 106 países que receberam o produto brasileiro, os Estados Unidos lideram o ranking, com 17% do total. Em 2019, foram adquiridas 15,3 mil toneladas ante 14,8 mil toneladas em 2018, um aumento de 3,1%, segundo dados do Consórcio Pesquisa Café, coordenado pela Embrapa Café. O relatório foi elaborado pela Associação Brasileira da Indústria de Café Solúvel (ABICS).

Na sequência, estão Rússia, Indonésia e Japão. No entanto, quando se considera a soma das importações dos países que integram a União Europeia (UE), o bloco assume o segundo lugar, com crescimento significativo de 22,9% no ano passado.

Expansão

Outros países registraram um aumento expressivo na compra do solúvel brasileiro, o maior produtor mundial. A Indonésia – o quarto maior produtor de café do mundo – ampliou em 2,9% as importações, se tornando o terceiro maior destino das exportações brasileiras. Myanmar aumentou em 61,4% suas compras. O destaque ficou para o México – o segundo maior produtor mundial de café solúvel, perdendo apenas para o Brasil – aumentou em cerca de 315% a compra do produto nacional. 

De acordo com o relatório, a expansão nas exportações pode ser atribuída, em parte, à reconquista de alguns mercados compradores do produto brasileiro, prejudicados no atendimento às suas demandas entre 2016 e 2017. A redução verificada nesse período foi decorrente da queda acentuada na produção de café conilon (utilizado na produção do café solúvel) no Espírito Santo, em função de problemas climáticos.

Queda

O recorde verificado nas exportações físicas do solúvel, em 2019, no entanto, não refletiu no aumento de receita cambial, que registrou ligeira queda. O volume apurado de US$ 581,7 milhões representa um recuo de 3% na comparação com os US$ 599,8 milhões do ano anterior, consequência direta dos preços baixos do café registrados nos mercados internacionais, no período analisado pela Embrapa Café.

Consumo doméstico

Em relação ao consumo doméstico, conforme o relatório, houve um crescimento médio de 4,22% ao ano, nos últimos três anos, índice superior ao do café torrado. Nesse contexto, vale destacar que, em 2019, teve um crescimento de 5,6%, se comparado com 2018.