Câmara de vereadores de Curitiba recebe reitor após moção de apoio às universidades públicas

15 Mai 2019 Fonte: Assessoria UFPR Destaques
Câmara de vereadores de Curitiba recebe reitor após moção de apoio às universidades públicas

Câmara de vereadores de Curitiba recebe reitor após moção de apoio às universidades públicas

Após a aprovação de duas moções de apoio às universidades públicas brasileiras na Câmara Municipal de Curitiba, o reitor da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Ricardo Marcelo Fonseca, realizou uma fala salientando os problemas que os cortes determinados pelo Ministério da Educação (MEC) causarão e reforçando a importância de desmistificar as notícias distorcidas e a caricaturização das universidades que tem acontecido pela mídia e nas redes sociais.

Fonseca pediu que os representantes da população curitibana, usando da liderança comunitária que possuem, ajam como veículos transmissores da verdadeira informação e de defesa dessas instituições cruciais para a sociedade. “As notícias apontam as universidades como ineficientes, sendo que mais de 95% da ciência, da tecnologia e da inovação no Brasil é por elas produzidas. Exemplo são as pesquisas sobre o grafeno, substância retirada do grafite com grande potencial tecnológico, realizadas há anos por renomados pesquisadores da UFPR como Aldo Zarbin e José Eduardo Padilha”.

O reitor relembrou, ainda, a liderança absoluta das universidades públicas nos rankings universitários, bem como a transparência da instituição que é cumprida tal como a legislação determina. “O orçamento e todos os contratos da universidade estão disponíveis na internet. Não existe empresa privada que seja tão controlada quanto as universidades públicas são”. Para finalizar a fala, ele destacou que as universidades são parceiras do Brasil.

A explanação de Fonseca foi mais um passo na busca de apoio por parte das forças políticas. Na manhã desta segunda-feira (13), a bancada parlamentar no Congresso Nacional também demonstrou suporte à causa. “Isso mostra que o movimento político e social a favor da universidade e contra os cortes só tem crescido. Vamos continuar galgando esses apoios porque é disso que precisamos para sensibilizar o Governo Federal de que sem a reversão desses cortes as nossas atividades, tão estratégicas e fundamentais, serão inviabilizadas”.

Moções

Nesta segunda-feira (13), a Câmara Municipal de Curitiba (CMC) aprovou duas moções de apoio às universidades públicas brasileiras. Um dos documentos cita expressivamente a constante redução orçamentária que a UFPR tem sofrido, a importância para a ciência nacional, o papel de inclusão das populações desfavorecidas e a contribuição para a educação básica.

Inegável a imprescindibilidade das Universidades Federais, pois estas respondem por mais da metade dos cursos e dos alunos de mestrado e doutorado do País além de produzirem a maior parte da ciência nacional. São indispensáveis na inclusão das populações desfavorecidas e, por meio da interiorização, têm contribuído para a redução das assimetrias regionais.

A moção foi assinada por 29 dos 38 vereadores e apresentada pelo líder do Executivo na CMC, Pier Petruzziello, que defende, principalmente, o incentivo à pesquisa. “Nem todos podem estar presentes em universidades privadas e, em sua maior parte, as públicas têm um ensino mais qualificado, essencialmente no que tange à pesquisa, tecnologia e inovação. Para nós é muito importante, como representantes da cidade de Curitiba, demonstrar esse apoio”, comenta Petruzziello.

Na mesma sessão foi aprovada, ainda, uma moção de apoio e solidariedade apresentada pelo Professor Euler. A proposta fala da necessidade de uma abordagem positiva: No caso local, a UFPR é considerada a 7ª melhor Universidade Federal do país, sendo a 2ª colocada em inovação, a 5ª em Direito, Ciências Contábeis e Turismo e a 8ª melhor em Medicina. É um patrimônio do povo paranaense, sendo essencial para a diminuição das desigualdades em nossa sociedade, visto que propicia que alunos de baixa renda tenham sua vida transformada a partir da Educação de qualidade.

O vereador, que é também professor de cursinho preparatório para vestibular, reconhece que a UFPR afeta a vida de milhares de pessoas direta e indiretamente. “Vejo, todos os anos, alunos com o sonho de ingressar nesta Universidade. Nesse momento eles sentem esse sonho abalado”. Para ele, o governo precisa encontrar maneiras mais eficazes de fazer economia no País mantendo os serviços prioritários como saúde e educação.

De acordo com Fonseca, as universidades públicas são patrimônios inalienáveis de toda a população, que deve lutar por elas. “Opor essas instituições à sociedade e ao desenvolvimento como se fossem pertencentes a um grupo isolado é um discurso errado. As universidades fazem parte de um projeto de Estado: realizam políticas públicas, são agentes de desenvolvimento, mas também de civilidade nacional”.