China já compra quase metade da carne brasileira

13 Abr 2018 Agricultura e Pecuária
 China já compra quase metade da carne brasileira

China já compra quase metade da carne brasileira

Informações divulgadas pela Associação Brasileira de Frigoríficos (ABRAFRIGO), indicam que as exportações brasileiras de carne bovina cresceram 19% em quantidade e 21% na receita em comparação com o mesmo período do ano passado, quando o País exportou 331.253 toneladas que renderam US$ 1,299 bilhão. As vendas são impulsionadas pelo mercado chinês, que representa quase metade das exportações de carne bovina in natura e processada.

 

 

Os dados foram compilados com base na movimentação de março, divulgada pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), e mostram que o Brasil encerrou o primeiro trimestre de 2018 com vendas de 393.083 toneladas, o que equivale a um faturamento de US$ 1,589 bilhão. Segundo a ABRAFRIGO, a soma entre importações diretas ao continente chinês e as que entraram por Hong Kong, representaram 46,1% dessas exportações, um total de 171.249 toneladas  no trimestre. 

Os bons números já podiam ser observados durante 2017, quando as vendas de carne para a China já tinham gerado bons resultados, representando 171.249 toneladas da comercialização internacional no trimestre. Como o mês de março continuou projetando bons números tal como os dois primeiros meses do ano, a comercialização atingiu 148.904 toneladas e a receita US$ 590,2 milhões, o que significou um crescimento respectivo de 20% e 21%. 

 

De acordo com a ABRAFRIGO, os resultados observados no mercado internacional também compensam a queda nas vendas dentro do mercado interno, que não apresenta recuperação desde a deflagração da operação Carne Fraca, no início de 2017. A entidade também afirma que a operação da Polícia Federal é responsável por refletir a queda das vendas para países da União Europeia e para os Estados Unidos. 

Em relação ao mercado russo, que já foi o maior importador da carne bovina brasileira, as expectativas são de que haja uma reabertura ainda nesse primeiro semestre de 2018, o que deve melhorar ainda mais o desempenho do País nos próximos meses. A exportação de carne também promete se manter aquecida pelo Egito, que movimentou 47.842 toneladas contra 15.004 ante o mesmo período do ano passado e o Chile, que ampliou suas importações de 12.592 toneladas em março de 2017 para 23.888 toneladas em março de 2018.