Snapchat x Instagram: a batalha mundial pela Geração Z

20 Jan 2017 Fonte: Lazzari Agencia Web Mundo Online
snapchat-instagram_0

snapchat-instagram_0

Bom, um é bem maior e mais consolidado do que o outro. Instagram tem 600 milhões de usuários cadastrados (sendo 400 milhões de usuários ativos) e Snapchat tem 300 milhões.

Recentemente, para buscar consolidar de vez sua liderança, Instagram copiou sem dó um feature do seu concorrente Snapchat, o bem sucedido Stories, lançando o seu próprio Stories. Ambos são funcionalidades destinadas a permitir aos acelerados e imediatistas da chamada Geração Z (e um pedaço dos Millenials) compartilhar histórias dos momentos rápidos e corriqueiros do seu cotidiano através de vídeos curtos e fotos que aparecem no formato de slideshow.

Essa funcionalidade fez a audiência do Snapchat escalar, mas o Instagram veio atrás e também escalou sua audiência com a novidade.

Outra funcionalidade que mata a pau do Snapchat são os variadíssimos filtros, com os quais as imagens postadas no aplicativo são tratadas num clique, tornando-as engraças com máscaras e distorções as mais divertidas.

Em pesquisa realizada com 35 mil usuários de ambas as plataformas, o aplicativo de comparação de tudo, Wishbone App, resolveu comparar os dois apps.

43% dos pesquisados responderam que, se o Instagram lançar algo parecido com os filtros do Snapcaht, que eles deletariam o Snapchat.

Na base do Wishbone App há uma preferência pelo Snapchat (63%) em relação ao Instagram (37%), mas essa amostra não espelha o mercado total.

O que parece, por enquanto, é que ambos os aplicativos, cada vez mais parecidos entre si, irão continuar sua luta por maiores fatias de mercado, sendo o Instagram o app das imagens e o Snapchat o app dos momentos fugidios, rapidinhos.

Do ponto de vista das soluções de comunicação, ambas têm suas armas e cada qual vive seu particular momento de desenvolvimento enquanto empresa.

O Snapchat é propriedade da recém-criada Snap.Inc., empresa que este mês deu entrada na papelada para se tornar uma empresa de capital aberto. Está preparando seu IPO. O IPO deverá gerar R$ 4 bilhões em ações, sendo estimado um valuation entre US$ 20 Bi e US$ 35 Bi (obviamente, esses números são mera especulação).

Um dos recentes destaques em seus modelos comerciais para o mercado de mídia é o Snapchat Discover. Como uma plataforma de notícias com curadoria, o Snapchat Discover hospeda uma variedade de canais de meios de comunicação e publicações como CNN, ESPN, BuzzFeed e Vogue. Ele oferece uma experiência de conteúdo imersivo com variadas opções de exibição, como gráficos em tela cheia, sobreposições de texto, animação e som.

Mas o mais barulhento buzz do Snapchat foi mesmo o lançamento, no final do ano passado, dos seus óculos de sol malandrinhos e fahsion, o Snapchat Spectacles, que tem câmera embutida always on, permitindo que os vídeos relâmpagos da plataforma sejam postados direto do óculos no Stories.

Enfim, tanto o mercado de investidores, como o de marketing segue de olho nesse player, já que ninguém despresa uma operação que gera 10 bilhões de video views por dia.

Já o Instagram foi comprado pelo Facebook em abril de 2012 por US$ 1 Bi e, estima-se, se fosse independente, dependendo do analista consultado, poderia ser uma operação de valor entre US$ 20 Bi a US$ 50 Bi (na capa da Forbes de Outubro do ano passado, era esse o número estimado). Mas essa é, evidentemente, também uma especulação, já que a empresa não tem ações diretamente cotadas em bolsa.

Como nos conta Igor Ribeiro, editor de Meio & Mensagem: “O Instagram anunciou oficialmente a chegada de formatos publicitários ao Stories, ferramenta de vídeos curtos com stickers e textos que simula o Snapchat. Junto à ferramenta, a plataforma está implantando um sistema de visualização de métricas para perfis de marcas. O Instagram também divulga que já conquistou 150 milhões de usuários diários globais para o Stories desde seu lançamento, em agosto do ano passado”.

O mercado em jogo é o da Geração Z, nascida entre 1995 e 2010, segundo critério de alguns especialistas. Ou seja, gente que tem hoje entre 5 e 20 anos, mais ou menos. Com grande concentração nos adolescentes, obviamente.

Trata-se de um mercado de aproximadamente 2 bilhões de pessoas em todo o mundo. Nada mal para quem liderar a preferência.

Para os gestores de marketing, ambas as plataformas, cada qual com seu público e cada qual com sua característica, seguem sendo, sem dúvida, uma excelente alternativa para compor o mix de comunicação.
Snapchat x Instagram: a batalha continua.


Mais Notícias