Com 312 mil hectares, produtores de milho terminam plantio da primeira safra

Foto: Augustinho/Portal Palotina

O plantio da primeira safra de milho no Paraná foi encerrado nesta semana cobrindo 312 mil hectares. A expectativa é colher 3 milhões de toneladas. Esse é um dos assuntos analisados no Boletim de Conjuntura Agropecuária relativo à semana de 1º a 7 de dezembro. O documento, preparado pelo Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab), traz também informações sobre outras culturas.

No caso do milho, a baixa luminosidade prejudicou o desenvolvimento das plantas, o que pode baixar um pouco a projeção de produtividade em relação ao ciclo de 2022. A área deste ano é 18% menor que a do último ciclo, quando a primeira safra se estendeu por 379,1 mil hectares. A redução na estimativa produtiva deve seguir o mesmo percentual. No início deste ano foram colhidas 3,7 milhões de toneladas na primeira safra.

Novamente se confirma a tendência, verificada a partir da década de 80, de a primeira safra perder importância em relação à segunda, que ainda é chamada de “safrinha” como no período em que realmente era menor. Em 2022 ela rendeu 14 milhões de toneladas de milho.

A segunda safra é plantada entre janeiro e abril e provavelmente o trabalho será mais ágil em 2024, com a perspectiva de que não haja atraso na colheita da soja como ocorreu em 2023. O milho é semeado em parte da área, sucedendo a oleaginosa.

O que se observa no campo é que a soja está com adiantamento em suas fases, com vagens já formadas em 17% da área prevista de 5,8 milhões de hectares. No ciclo anterior, neste mesmo período, apenas 3% estavam nesse estágio. O milho safrinha deve ocupar pelo menos 2,3 milhões de hectares.

FEIJÃO – O Deral atualizou a área estimada de feijão da primeira safra, de 111 mil hectares para 113 mil hectares no Paraná. No entanto, a produção deve se reduzir das inicialmente projetadas 215,2 mil toneladas para 175 mil toneladas. As perdas se devem principalmente à pouca luminosidade, erosões, alagamentos e lixiviação do solo.

Pelo menos 3% da área já foi colhida, mas a possibilidade de safra reduzida fez com que o preço recebido pelos produtores tivesse um aumento. O feijão preto, que predomina nesta safra, é o mais valorizado no momento, pois a colheita começa em região de maior oferta do carioca.

LICHIA – O documento produzido no Deral traz uma análise da produção de lichia no Paraná. Em 2022 foram colhidas 1,8 mil toneladas em 186 hectares, com Valor Bruto de Produção (VBP) de R$ 21,5 milhões. A produção, que nos últimos dez anos tem apresentado decréscimo, é mais desenvolvida na região de Jacarezinho, com Carlópolis como principal produtor, no Norte Pioneiro.

No ano passado as Ceasas no Paraná comercializaram 76,4 toneladas de lichia, a maioria vinda de São Paulo e Minas Gerais. Desse volume, 45,6 toneladas foram vendidas em dezembro, o que demonstra ser uma fruta mais consumida nas festividades de final de ano.

LEITE – Em novembro o produtor de leite paranaense viu sua receita continuar em queda. O litro posto na indústria atingiu R$ 2,15, o menor preço do ano. Para o consumidor, porém, o leite longa vida subiu em média 4,4% (de R$ 3,94 para R$ 4,11 entre outubro e novembro), de acordo com pesquisa de varejo do Deral. Mas é possível encontrar ofertas abaixo de R$ 3,00.

FRANGO E OVOS – O boletim também se refere aos preços levantados pelo Deral em relação ao frango vivo. No Paraná, o valor médio nominal pago ao produtor em novembro foi de R$ 4,53 o quilo. Isso representa aumento de 1,34% (R$ 0,06 por quilo) em relação a outubro, mas inferior em 12,72% comparado com novembro de 2022, quando estava em R$ 5,19 o quilo.

No caso dos ovos, o produtor recebeu o valor médio de R$ 133,83 por caixa de 30 dúzias do tipo grande. É uma redução de 4,83% em relação a outubro, quando o preço estava em R$ 140,62, e de 4,75% comparativamente com novembro do ano passado (R$ 140,92).

Fonte: AEN/Pr.

Compartilhe

Posts Relacionados